saopaulo.sp.gov.br
Instituto de Tecnologia de Alimentos

Notícia
Cadeia do frio
Embalagem autônoma inteligente para sistemas de saúde é foco de projeto aprovado pela Finep
Cerca de R$ 1,8 mi serão destinados à proposta da empresa São Rafael, que contará com a expertise do Ital, da Secretaria de Agricultura de SP

Por Jaqueline Harumi | Postado em 23/11/2020 17:42:00 | Atualizado em 21/01/2021 18:04:47

Projeto foi aprovado na linha temática Saúde 4.0 da seleção pública Subvenção Econômica à Inovação – Tecnologias 4.0 (Crédito: wavebreakmedia_micro/Freepik)

As escolas paulistas de Enfermagem e Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o Instituto Mauá de Tecnologia e o Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, realizarão juntos pesquisa e desenvolvimento de embalagem autônoma inteligente para cadeia fria de sistemas de saúde, visando trazer segurança aos processos críticos durante o transporte de órgãos, tecidos e células para transplante – ouça o boletim sobre o tema no Spotify e no SoundCloud.

O projeto interinstitucional encabeçado pela empresa São Rafael Câmaras Frigoríficas ficou em oitavo dentre os 11 aprovados pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), na linha temática Saúde 4.0 da seleção pública Subvenção Econômica à Inovação 04/2020 – Tecnologias 4.0. Com prazo de execução de até 36 meses, prorrogável a critério da Finep, o projeto receberá R$ 1,854 mi de subvenção, com R$ 394 mil de contrapartida.

“Contribuir para a garantia do transporte seguro de itens essenciais à saúde e à vida é uma grande honra e responsabilidade para nosso instituto, que, no Centro de Tecnologia de Embalagem (Cetea), conta com infraestrutura e equipe experiente e capacitada para cooperar na viabilização dessa solução inovadora, que ao final poderá promover novas soluções tecnológicas para a logística da cadeia de frio”, afirma Eloísa Garcia, diretora geral do Ital, que será representado no projeto pelos pesquisadores Ana Paula Noletto, Danielle Ito e Maurício Bordin.