saopaulo.sp.gov.br

PDIP Fapesp
Ital recebe pesquisadora renomada na área de biologia molecular

Por Tatiana Freitas | Postado em 05/12/2019 17:42:22 | Atualizado em 03/01/2020 17:12:25

Por dez meses, o Ital contará com a experiência da Maria Helena Pelegrinelli Fungaro, pesquisadora aposentada da Universidade Estadual de Londrina (UEL), atua na área de pós-graduação da UEL e está no Ital desde agosto/19 como pesquisadora visitante do Plano de Desenvolvimento Institucional em Pesquisa  da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (PDIP da Fapesp).

Com 38 anos de experiência, Maria Helena traz para o Instituto todo seu conhecimento na área de genética e biologia molecular. Seu desafio por aqui é montar um laboratório de biologia molecular para identificar micro-organismos isolados de amostras de alimentos.

“O Ital é extremamente respeitado na área de microbiologia de alimentos, tem uma equipe de excelência no que diz respeito aos métodos clássicos, e espero contribuir com a implementação da metodologia molecular para identificação de espécies microbianas”, afirma Maria Helena.

Entenda:

Método clássico Biologia molecular
Analisa as características de crescimento em diferentes meios de cultura e morfologia. Analisa a molécula de DNA, ou seja, a sequência de nucleotídeos de alguns genes.

Exemplo: suponha que você isolou um micro-organismo do milho e deseja saber qual o nome dele. A biologia molecular ajudará identificar a qual espécie ele pertence. Com a sequência de nucleotídeos, o pesquisador acessa um banco de dados mundial e, após interpretação dos resultados, identifica o micro-organismo.

“Nesse processo de modernização do laboratório de Microbiologia do Centro de Ciência e Qualidade dos Alimentos (CCQA) foi instalado um sequenciador (ver foto). Este projeto do PDIP tem permitido a implementação de técnicas moleculares na microbiologia do Ital. Para mim tem sido uma experiência maravilhosa. Tenho aprendido muito e espero ensinar tudo que adquiri ao longo dos anos”, destaca.

Os desafios nestes dez meses de projeto:
A primeira etapa: definir o espaço físico, adquirir e instalar equipamentos, e colocar o laboratório em funcionamento (CONCLUÍDA). 

A segunda fase: é o treinamento da equipe do Ital. “Dividimos a turma em quatro módulos. Gosto de fazer a parte prática individualmente ou no máximo em dupla pra não perdermos os detalhes dessa transferência de conhecimento. Além disso, tenho contribuído dando aulas no curso de pós-graduação do Ital e em cursos de capacitação para as empresas”, acrescenta a pesquisadora.

A terceira e última fase: será a execução das necessidades de identificação de micro-organismos de alimentos associando a taxonomia clássica com a molecular.

Emocionada, a pesquisadora visitante se diz agradecida ao Ital e à Fapesp por este momento. “É gratificante ver a equipe da Microbiologia e os estudantes usando o laboratório e as técnicas aprendidas. Além disso, boa parte da minha carreira de pesquisadora eu estive em contato com o Ital, com a Marta Taniwaki e Beatriz Thie Iamanaka, pessoas que admiro e trabalhei em parceria. “O ambiente por aqui é agradável, todos receptivos, profissionais comprometidos, estou extremamente feliz”, finaliza.

Maria Helena Pelegrinelli Fungaro é formada em Biomedicina pela Universidade Estadual de Londrina (UEL); Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Genética de Micro-organismos pela Universidade de São Paulo – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq-USP).